quinta-feira, 16 de abril de 2015

A RELIGIÃO MANDEANA


Amigos:
Aqui traduzo este artigo de James Bean. 


Os Mandeanos ainda se manifestam em pequenas comunidades de emigrantes pelo mundo.
Eis aqui uma cerimônia de Batismo de Mandeanos no rio Nepean em Sydney Austrália

Uma mulher Mandeana, conhecida em árabe como Sabéia,
 lê um livro religioso enquanto marca a "grande festa",
 o ano novo Mandaeano, de acordo com o calendário
Sabeu em Bagdá, em 19 de julho de 2010.
A história dos Mandeanos (Man-day-yens) lembra um pouco a experiência de tribos nativas americanas; que eles possam sobreviver; que a sua sabedoria antiga possa ser compartilhado com a humanidade.

Na década de 1970, professor Kurt Rudolph escreveu seu livro definitivo sobre a natureza e a história da religião gnóstica, "Gnosis". No capítulo intitulado "A Relíquia: os Mandeanos", ele registrou que na época restavam apenas cerca de 15 mil Mandeanos e o número de sacerdotes Mandeanos estava diminuindo rapidamente. Ele os descreveu como uma comunidade em estado de crise, não só devido a uma escassez de sacerdotes, mas também por causa da crescente lacuna espiritual e cultural entre os idosos (que são os guardiões do conhecimento antigo) e as gerações mais jovens de Mandeanos leigos. 

Kurt Rudolph escreveu: "A própria existência da comunidade dependerá essencialmente de conseguir ou não resolver o problema de uma adaptação necessária ao mundo moderno. Só assim ela será, como a religião gnóstica mais antiga, com seus dois milênios de história em que desenvolveu sua linguagem aramaica independente e um estilo de vida como nenhuma outra seita gnóstica do passado, capaz de sobreviver no futuro." (Gnosis, Harper Collins) E estas palavras foram escritas muito antes da ascensão de Saddam Hussein, da Guerra do Golfo, e da loucura atual que amaldiçoou aquela região por muitos anos. 

[Nota do tradutor : Infelizmente depois que foi escrito esse artigo a situação, como não se podia imaginar, tornou-se ainda pior e a região esta sobre o domínio do grupo exterminador ISIS

Assírios e mandeanos em um encontro cristão em Bagdah.
Alguns Mandeanos (significando, "possuidores de conhecimento secreto") vivem em cidades iraquianas como Bagdá e Basra.
Há uma grande população Mandeana que reside em cidades mercantis menores e aldeias da região pantanosa no sul do Iraque e perto dos rios Tigre e Eufrates. 

O Irã também tem uma população Mandeana; muitos deles habitam ao longo do rio Karun, na província de Rhuzistan. O profeta Maomé os chamou de "sabeus", ou seja, "os batistas ou batizadores", um nome que ocorre no Alcorão e que lhes permitiu continuar sob o Islã. O Islã também os categorizou como "o povo do livro," uma religião que possui suas próprias escrituras antigas. Outro fator que tradicionalmente lhes permitiu operar no mundo islâmico é a sua afiliação com João Batista. João Batista é um dos seus maiores profetas para o Islã.

Embora a conexão histórica entre João e os Mandeanos seja difícil de se verificar, é de fato possível que eles sejam descendentes dos discípulos de João Batista, que há 2.000 anos teve um grande número de seguidores que acreditavam ser ele um grande mestre se não o esperado Messias. Após a morte de João, o Novo Testamento retrata Jesus como sendo seu sucessor espiritual, mas outros líderes da comunidade de João podem ter visto as coisas de forma diferente. Como Jesus, outros também podem ter reivindicado serem os sucessores de João e, assim, tornaram-se os líderes de uma comunidade Joanina, que manteve a sua independência em relação ao Movimento de Jesus, e permaneceram como eram - uma seita batismal heterodoxa da Trans-Jordânia.

De acordo com os estudiosos de estudos Mandean como Werner Foerster, de fato as origens dos Mandeanos se volta para a tradição Palestina judaica do primeiro século dC na região do rio Jordão. Foerster afirma em "Gnosis II", publicado pela Oxford University, que, no contexto da guerra judaica de independência e consolidação do judaísmo ortodoxo após 70 dC, "a sua posição como uma oposição minoritária, evidentemente, levou à perseguição da comunidade e, finalmente à sua emigração do seu território nativo na Jordania para o leste, começando em Harran e, em seguida, nas regiões do sul da Mesopotâmia ". Por fim, a comunidade se instalou na região dos rios Tigre e Eufrates, onde poderia continuar o ritual dos iniciados batizando em "águas vivas" (rios) que simbolizam o conectar de suas almas com os "celestes rios Jordão de Luz".

O Novo Testamento-Ish Or com provérbios ao modo de Jesus 
Esta comunidade religiosa antiga, também conhecida como os Nazoreanos, ainda usa um dialeto da língua aramaica; eles possuem uma enorme quantidade de escrituras maravilhosas, a maioria na forma de salmos ou hinos.

Antes de começar o estudo de alguns escritos visionários nas escrituras Mandeanas, quero compartilhar alguns exemplos de passagens que soam um pouco "familiar" para os nossos ouvidos 
- Novo Testamento ou passagens semelhante às de Jesus.

Estas seriam as palavras faladas por aqueles que vieram do mesmo meio semita de língua aramaica, como fez Jesus e outros messias do Oriente Médio:

"Eu sou um pastor que ama suas ovelhas; 
eu protejo as ovelhas e os cordeiros ... 
eu os conduzo e dou-lhes água para beber 
na palma da minha mão, 
até que bebam a se fartar."

"Um pescador eu sou, 
que sou o eleito entre os pescadores, 
o chefe de todos os pescadores."

"Dê pão, água e abrigo para os pobres 
e às pessoas acuadas que sofrem perseguição. "

"Amem e apoiem uns aos outros."

"Quando você vê alguém que está com fome, 
então satisfaça a sua fome. 
Quando você vê alguém que tem sede, 
em seguida, dai-lhe de beber, 
pois quem dá, recebe ".

"Quem liberta um prisioneiro vai encontrar 
um Mensageiro da Vida avançando 
para encontrá-lo".

"Oh meu escolhidos! Não coloquem sua confiança 
nos reis, governantes e rebeldes deste mundo, 
nem nas forças militares, armas, conflitos, 
e nos anfitriões que eles montam, 
nem em prata e ouro ... 
Seu ouro e sua prata não irão salvá-los. 
Sua autoridade morre e chega ao fim ".

As palavras "busca e encontrarás" aparecem em inúmeras ocasiões nas escrituras Mandeanas, e de fato muito mais frequentemente que no Novo Testamento. E o termo "Lugar da Vida", muitas vezes usado nos textos Mandeanos, também aparece no Evangelho de Tomás .

A primeira onda de Gnosis

Houve algum tipo de transformação no pensamento [consciência] que ocorreu há 2.000 anos no Oriente Médio, o que levou ao nascimento de dezenas de novos movimentos religiosos dentro e fora do judaísmo, incluindo os Sethianos, os Essênios, e várias formas e expressões do cristianismo. Muitos deles são classificados como "gnósticos", ou seja, os que se concentraram no conhecimento espiritual/místico.

Este foi o momento da primeira onda de Gnosis no mundo ocidental - a centelha foi acesa.

Algumas almas começaram a acreditar que lhes era possível, pessoalmente, conhecer os mistérios de Deus e dos céus, e procuraram a sabedoria e a orientação espiritual dos vários mestres, místicos, profetas e apóstolos que estavam ao redor naquele momento. Para o Nazoreanos (Mandeanos), João Batista foi o Professor de Deus que tinha sido enviado "da Luz" para batizar ou iniciar as almas para a experiência de o Conhecimento da Vida. A "Grande Vida", é o nome de Deus nas escrituras Mandeanas.

Existem alguns exemplos de literatura visionária nos Manuscritos do Mar Morto, várias descrições de coisas que estão acontecendo nos céus. Os textos Mandeanos parecem ser uma continuação dessa tradição visionária do - misticismo da Luz e da Ascensão

Na minha opinião, as escrituras Mandeanas provavelmente representam os documentos mais celestes ou sobrenaturais do oeste, repleta de visões fora-deste-mundo; de Deus, descrições do céu, almas, anjos, e vida após a morte. Eles falam diretamente para o coração e a alma do leitor através de hinos e orações de incrível beleza.

A vinda do mensageiro da luz

O papel do mensageiro celeste é dar a experiência mística de luz para as almas e, finalmente, orientá-las de volta ao Lugar de Luz, o termo Mandeano para o mais alto dos céus, onde a Grande Vida (Deus) reside. Aqui estão algumas passagens dos livros sagrados Mandeanos sobre o Manda-d-Hiya - o grande redentor celestial:

O Iluminador dos Mundos de Luz

Em nome da Grande Luz,
Luz Sublime seja louvada. 

"Do Lugar de Luz eu saí,
a partir de ti, Brilhante Habitação. 
Venho para tocar os corações, 
para medir e tocar todas as mentes, 
para ver em cujo coração eu habito. 
Quem pensa em mim, esse eu acho, 
todo aquele que invocar o meu nome, 
o seu nome eu vou chamar. 
Todo aquele que reza a minha oração na Terra, 
a sua oração vou oferecer ao Lugar de Luz ".

"Eu vim e encontrei os verdadeiros corações a crer. 
Quando eu não estava habitando entre eles, 
mas o meu nome estava em seus lábios, 
levei-os e guiei-os ao Mundo da luz."

"Tornei-me o Iluminador dos mundos de luz. 
Tornei-me um rei para os Nazoreanos, 
que recebem louvores e estabilidade 
através do meu nome. 
E pelo meu nome eles ascendem 
à Praça da Luz. 
Quanto aos justos eleitos 
que me vestiram como uma peça de roupa, 
seus olhos estavam cheios de luz, 
e o Manda-d-Hiya [Conhecimento da Vida] 
​​foi criado em seus corações ".

Abraçado pela Luz

Os encontros místicos registrados nas escrituras dos Mandeanos podem parecer às vezes como antigas experiências de quase-morte (EQM), as visões de lmãs que foram abraçados pela Luz há muito tempo:

"Quando cheguei ao riacho das águas
Uma radiante centelha me encontrou
Me levou pela palma de minha mão direita
E conduziu-me por sobre as correntes da morte
Foi trazida a resplandescência e dela fui revestido
Foi trazida a luz e nela fui envolvido..."

"[Oração]Filhos dos Bons
Mostre-me o caminho para os Uthras (espíritos. anjos)
A Senda da ascensão pela qual teu Pai
Elevou-te para o lugar da Luz

"Ele levantou-se
e me levou com ele
e não me deixou
nesta casa perecível. "


Esta é a minha interpretação.

No relato acima, após esta alma ter atravessado para o outro lado, foi recebida por uma "centelha de Resplendor", (segundo outra tradução) um libertador ou guia que não só acompanhou a alma para o além, mas também deu lhe o seu manto celestial de Resplendor - uma peça de roupa feita de luz. 

Não está claro para mim se à alma, literalmente, foi dado um robe para colocar, ou se talvez esta seja uma outra maneira de descrever o processo de deixar o corpo no momento da morte, tirando o manto do corpo físico, o que fez a alma se ver como um ser de luz. Em qualquer caso, a alma, então, ora ao seu auxiliar e orientador para ser escoltada para cima, para o Lugar de Luz. 

Uma outra versão diz:

"Eu levantei meus olhos para o céu
e minha alma esperou pela Casa da Vida.
E a Vida (Deus), que ouviu o meu clamor,
enviou me um libertador."


Esta versão também descreve o encontro com o ser celestial (centelha de Radiância) que acompanhava a alma sobre as águas da morte, e acompanhou-a durante a ascensão até o mundo de luz. O hino termina com estas palavras:

"E a Vida sustentou a Vida!

A Vida encontrou o que lhe é próprio.

Em meu próprio ser reencontro a Vida, 
e minha alma descobriu 
o que tinha buscado. 
Renovado na Vida e vitorioso." 

Visões das Grandes Almas no Lugar da Luz 

As Grandes Almas são descritas como seres luminosos que vivem em um mundo de Luz infinita com um Ser Supremo de Luz. Os céus do hiperespaço são atravessados ​​por correntes espirituais de "Águas Vivas", afluentes do rio Jordão Celestial de Luz. As almas são descritas como seres radiantes que brilham umas sobre as outras como as estrelas no centro da nossa galáxia:

"Elas estão a milhares e milhares de quilômetros 
distantes uma das outras 
e ainda assim uma é iluminada 
pela radiância das outras".
O principal nome para o mais alto Deus na tradição Mandaean é "A Grande Vida."

Muitos dos seus hinos de oração começam com esta invocação:

"Em nome da Grande Vida,
Luz Sublime seja louvada ".

"Vivente", um termo encontrado no Evangelho de Tomé nos escritos gnósticos orientais, é usado em textos Mandeanos para Deus. A Grande Vida é também referido como o Rei da Luz, um ilimitado radiante Ser de compaixão e amor:

"Ele é a Luz, em quem não há trevas,
o Vivente, em quem não há morte, 
o bom, em quem não há dolo, 
o Gentil, em quem não há confusão, 
o UM, em quem não há o veneno da amargura." 

O termo "Grande Espírito" também é usado em várias ocasiões nas escrituras Mandeanas.

[Aqui se encerra a tradução do texto de James Bean]

Uma Introspecção sobre um Poema Mandeano

Os Mandeanos compõe um grupo gnóstico que vem se manifestando sem interrupções desde sua origem como os seguidores de João Batista. Esse grupo tem como seu livro de sabedoria o GINZA do qual traduzi o poema "A Canção da Ascenção" que trata fiel e profundamente do caminho de salvação do discípulo após seu desligamento físico.

Os Mandeanos se encontram em extinção pois habitam territórios do Iraque e Irã e certamente não resistiram ao caos e a carnificina ali dominante, Provavelmente não há mais do que uma dezena de milhar de reminiscentes. 

Elaborei o vídeo que apresento em seguida sobre esse poema. 

A tradução as imagens e a música me ajudam muito numa introspecção profunda sobre esse tema, vital do ensinamento gnóstico. Espero que também assim seja com os que o assistirem.

Os Mandeanos se encontram em extinção pois habitam territórios do Iraque e Irã e certamente não resistiram ao caos e a carnificina ali dominante, Provavelmente não há mais do que uma dezena de milhar de reminiscentes. 

Clique e veja o vídeo: 


Eis o poema:

A Canção da Ascenção

"Eu voo e para lá prossigo
Até chegar às guaritas do Sol
Eu lamento: 
“Quem me guiará além das guaritas de Sãmïs?”
“Teus méritos, tuas obras, tuas dádivas e tua bondade 
Te guiarão além das guaritas de Sãmïs”
Quão amplamente me rejubilo!
Quão completamente meu coração se alegra!
Quanto anseio!
Quanto anseio pelo dia do término de minha luta,
Pelo dia do término de minha luta
E pelo meu rumo traçado ao lugar da vida 

Eu acelero e para lá prossigo 
Até chegar às guaritas da Lua
Quando cheguei ao riacho das águas
Uma radiante centelha me encontrou 
Me levou pela palma de minha mão direita
E conduziu-me por sobre as correntes da morte
Foi trazida a resplandescência e dela fui revestido
Foi trazida a luz e nela fui envolvido
E a Vida sustentou a Vida!

Filhos dos Bons
Mostre-me o caminho para os Uthras
A Senda da ascensão pela qual teu Pai
Elevou-te para o lugar da Luz.

Paulo Azambuja